AUMENTO DE CONSUMO DE FIBRAS REDUZ SINTOMAS DA ASMA

Publicidade

Alteração na digestão dos nutrientes fortalece o sistema imunológico e diminui inflamação nos pulmões

O GLOBO Publicado: 6/01/14 - 17h06

Frutas, legumes e grãos integrais podem funcionar como tratamento para a asma, de acordo com estudos realizados em camundongos Foto: StockPhoto

LAUSANNE - Uma alimentação rica em fibras pode amenizar os sintomas de pessoas que sofrem de asma, segundo pesquisadores da Universidade de Lausanne, na França. Em estudo publicado na revista “Nature Medicine”, os cientistas avaliaram o impacto da mudança na dieta de camundongos e relataram que a maior ingestão de frutas, legumes e grãos integrais ajudou a reduzir a inflamação nos pulmões dos animais.

A melhora nos sintomas acontece porque as fibras fazem com que os nutrientes sejam absorvidos no intestino, alterando os tipos de bactérias que vivem ali. As “novas” bactérias conseguem quebrar a fibra solúvel, encontradas em frutas e legumes, e produzem mais ácidos graxos de cadeia curta - tipo de gordura que é absorvida pelo sangue e que atua como sinal para o sistema imunológico, fazendo com que os pulmões sejam mais resistentes à irritação.

Os asmáticos possuem as vias aéreas mais sensíveis e suscetíveis a inflamações, o que torna difícil a respiração. Segundo os pesquisadores, a mudança de uma dieta rica em fibras para uma baseada em alimentos processados pode ser a causa para o aumento dos casos de asma no mundo.

“Nas últimas décadas houve um aumento bem documentado da incidência de asma alérgica em países desenvolvidos e junto com esse aumento notamos mudanças na dieta da população, incluindo a redução do consumo de fibra”, disseram os pesquisadores no artigo.

As fibras no organismo humano

Benjamin Marsland, um dos autores da pesquisa, afirmou que algumas das diferenças causadas por dietas ricas em fibras já foram observados em pessoas na comparação de dietas de países da Europa e da Burkina Faso, na África.

- Há uma probabilidade muito alta de que funcione em humanos, o princípio básico da fibra convertida em ácidos graxos de cadeia curta é conhecido - contou Marsland à “BBC”. - Mas nós não sabemos qual seria a quantidade de fibras e as concentrações de ácidos graxos de cadeia curta necessárias. É cedo, mas as implicações podem ser profundas.

A equipe de Lausanne também está investigando o papel da dieta na inflamação pulmonar de longo prazo, como a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), deverá ser a terceira principal causa de morte até 2020.

A equipe de pesquisa ressaltou que os testes apresentaram resultado positivo em camundongos, e que ainda é preciso mais estudo para que a alteração da dieta seja receitada para pessoas com asma.